Como deixar de ter medo do mercado de ações e começar a investir

Posted by on Julho 5, 2017 in Ações, Dicas, Investir Dinheiro | 0 comments

Como deixar de ter medo do mercado de ações e começar a investir

O crash de 2008 assustou muitos millennials fazendo com que toda uma geração ficasse com receio de investir em ações. Se o medo também faz com que você esteja fora do mercado, talvez esteja na hora de reconsiderar.

No final da primeira década do novo milénio, estudantes do ensino secundário, universitários e jovens trabalhadores assistiram com horror ao crash generalizado das bolsas de valores que perderam mais de metade do seu valor no período de um ano e meio. As contas-poupança da faculdade foram dizimadas, os planos de reforma adiados e, em situações mais terríveis, casas e carros foram perdidos.

Muitos jovens que testemunharam essa turbulência durante os seus anos de formação ficaram receosos achando que havia uma lição a aprender com a queda do mercado: não investir nos mercados de capitais.

Mas a verdade é que permanecendo fora do mercado, muitos dos jovens trabalhadores de hoje estão a colocar-se numa situação financeira precária.

S&P 500 - histórico 1950 a 2015

Se você também é uma das muitas pessoas que têm medo de começar a investir, continue lendo este artigo para aprender como superar o seu medo.

 

Como deixar de ter medo do mercado de ações e começar a investir

1. Eduque-se financeiramente

Em vez de se afastar dos investimentos, você deve aprender como funcionam os mercados.

Mas não se fie nos meios de comunicação social, porque eles tendem a sensacionalizar os eventos do mercado de curto prazo. Estão sempre a falar das novas ações “sensação do momento” ou a dizer que vem aí o próximo crash.

Em vez disso, comece a ler livros ou a seguir blogs sobre planeamento e investimentos financeiros.

Veja aqui 5 passos para começar a investir em ações

 

2. Aborde o mercado a longo prazo

Se você é iniciante o melhor é adotar uma abordagem de longo prazo para investir.

Katie Brewer (coach financeira) sugere o seguinte:

Antes de começar, examine o contexto histórico: “Veja os retornos a 10, 20 e 30 anos”; “Os retornos de um ano são completamente irrelevantes”.

Ficar fora do mercado não é uma estratégia que beneficiará a maioria dos millennials a longo prazo. Diz Brewer:
“O mercado de ações é mais volátil do que costumava ser, principalmente devido aos avanços tecnológicos que tornam mais fácil a realização de grandes negócios”; “Mesmo assim, se você olhar para os retornos ao longo do tempo, e não estiver perto da reforma, ainda pode beneficiar a longo prazo”.

 

3. Comece a investir com pouco dinheiro

Em vez de investir todo o seu dinheiro de uma só vez, comece com um valor com o qual se sinta confortável. Você pode abrir uma conta de investimento numa corretora com 1000€ (por exemplo). É um montante pequeno que não irá levá-lo à falência, mas que pode dar-lhe a experiência necessária para você se tornar um investidor mais confiante.

Como disse o antigo filósofo chinês Lao Tzu: “A jornada de mil milhas começa com um único passo”.

 

4. Defina a sua estratégia

Se você tem receio do mercado, é importante entender como estabelecer uma estratégia de investimento conservadora.

“Vejo muitas pessoas mais jovens que temem o risco inerente ao mercado”, disse Brewer, “mas depois compram um monte de ações de uma empresa e investem num portfólio agressivo porque alguém lhes disse que deveriam fazer isso”.

Hoje em dia muitos investidores mais jovens são aconselhados a ser agressivos nos seus investimentos. Mas, temos que ver que nem todos têm a mesma tolerância ao risco, por isso o fato de ser jovem não significa que você tem que arriscar mais se realmente não é isso que você quer.

O mais importante é você conhecer-se a si próprio e saber como reagiria se o mercado subisse ou descesse 50%. Se você não reage bem quando o mercado desce muito repentinamente então não faz sentido ter um portefólio com elevada exposição ao mercado acionista, independentemente da sua idade.

Ao desenvolver uma estratégia de investimento, a coach financeira Katie Brewer sugere a seguinte regra geral para determinar quanto você deve investir em ações: 110 menos a sua idade.

Se você tem 25 anos, Brewer sugeriria que você investisse 85% (110-25 = 85) da sua carteira em ações e os 15% restantes em ativos menos arriscados, tais como obrigações ou depósitos a prazo.

Diversificar é fundamental, e se você é jovem deve considerar os ETF´s porque são uma maneira barata de conseguir uma exposição ao mercado mais ampla.

 

5. Seja consistente

Seguindo o princípio de investimento mais batido – comprar em baixa e vender em alta – você deve desenvolver um plano para deixar de lado os fatores emocionais. É o medo que leva os investidores a vender em baixa e a ganância que os incentiva a comprar caro, no pico do mercado.

Ao adotar uma estratégia de investimento sistemática em intervalos predefinidos ao longo do tempo você irá evitar que o seu lado emocional provoque perdas no seu património. Lembre-se que um investimento de 100€ comprará menos ações durante um pico de mercado, por exemplo, e um número maior durante uma baixa. Tendo um plano consistente será mais fácil remover as emoções – e potencialmente o erro humano – da equação de investimento.

 

O medo de investir no mercado de ações faz sentido no curto prazo. Afinal, todos nós já testemunhamos um dos maiores crashes da história. No entanto, quando você começa a olhar para o futuro, as quedas do mercado são ofuscadas pelo crescimento geral, a longo prazo. Se o seu medo do mercado o impede de investir, você pode estar a perder a oportunidade de ganhar milhares de euros.

Por isso, comece com pequenos investimentos, mantenha o seu portefólio diversificado para minimizar os riscos e invista a longo prazo.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *